Utilizando dados coletados com o JIRAM (Jovian Infrared Auroral Mapper), instrumento de imageamento espectroscópico da sonda JUNO, cientistas encontram uma nova fonte térmica próximo ao polo sul de uma das luas de Júpiter, Io. Isso poderia indicar um possível novo vulcão na lua.

Io é a lua mais próxima do planeta Júpiter, por esse motivo os efeitos de maré são muito potentes. Com uma analogia, podemos dizer que a gigantesca força gravitacional de Júpiter “espreme e estica” a lua enquanto a mesma completa suas revoluções ao redor do planeta, tudo isso acaba gerando atividade interna dentro da lua, o que pode resultar em vulcanismo.

Superfície de Io. As cores amareladas provêm da existência de uma alta taxa de enxofre na lua. Crédito: NASA sonda Galileo

Alessandro Mura (coinvestigador da sonda JUNO do Instituto Nacional de Astrofísica de Roma) disse: “Essa nova fonte térmica, capturada por JIRAM, está à 300 quilômetros da fonte térmica mais próxima já capturada anteriormente. Não estamos descartando movimentação ou modificação de alguma fonte térmica anteriormente descoberta, mas é difícil de imaginar uma que pudesse ‘andar’ toda essa distância e ainda sim ser considerada a mesma ‘coisa’.”

Local da nova fonte térmica. Crédito: NASA/JPL-Caltech/SwRI/ASI/INAF/JIRAM

Esse time da JUNO continuará a analisar estes dados, pois missões passadas da NASA que já visitaram este sistema (Voyagers 1 e 2, Galileo, Cassini e New Horizons), junto com observações feitas aqui da Terra, já detectaram mais de 150 vulcões ativos em Io e preveem a existência de mais uns 250.

Sim! Quatrocentos vulcões em uma única lua! Segundo os cientistas que trabalham com esses assuntos, Io é considerado o corpo mais geologicamente ativo do sistema solar.

Fonte da Notícia:

https://www.nasa.gov/jpl/NASA-Juno-data-indicate-another-possible-volcano-on-Jupiter-moon-Io

Marco Laversveiler

Graduando de Astronomia pelo Observatório do Valongo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), interessado principalmente nas áreas de Astrofísica Relativística, Estelar e de Altas Energias.

Ver Todos os Artigos

Adicionar Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *